17º Congresso da UPES elege em SP nova jovem mulher à presidência

Angela Meyer é eleita para presidir a entidade secundarista no estado de São Paulo

1509308_718035054885999_7029120478449081351_n

Do Site da UBES

 

A presença das jovens mulheres no movimento estudantil paulista inicia mais um capítulo. No último domingo (13/04), em Americana, com mais de 500 delegados em urna, mais de 250 escolas de todas as regiões do estado envolvidas no processo eleitoral. Uma nova menina é eleita presidenta da União Paulista dos Estudantes Secundaristas (UPES), Ângela Meyer, de 19 anos que na gestão anterior ocupou o cargo de diretora de comunicação.

A líder estudantil que na última gestão acompanhou mais de 40 manifestações e paralisações que inseriram a juventude secundarista de São Paulo em momentos decisivos para educação brasileira traça a partir de agora as novas diretrizes para o movimento estudantil. Encerrando o último período em que esteve na linha de frente da greve dos professores da rede pública por mais investimento na educação, paralisações nacionais da UBES, Jornada de Lutas da Juventude, greve das ETEC’s e tantas outras manifestações contra o autoritarismo nas direções escolares, nas ruas contra o aumento das passagens e melhorias no transporte público na cidade, a UPES inicia um novo ciclo.

Movidos pelas transformações que levantam os grêmios estudantis nas escolas, as passeatas nos bairros e a organização das entidades municipais que cumprem firme seu papel de representar os secundaristas na “selva” que é a cidade grande. O representativo Conupes desse final de semana encerrou a gestão de Nicoly Mendes, outra jovem mulher que presidiu a UPES, abrindo os novos caminhos para combater o machismo, a homofobia, o racismo, o autoritarismo a falta de investimento, e por fim, como diz Ângela, “construir uma entidade do tamanho dos nossos sonhos”.

Leia a entrevista que o site da UBES realizou com a líder estudantil eleita até o ano de 2016:

>> Reconstruir nossas escolas e construir uma UPES do tamanho dos nossos sonhos

Advertisements

10º Congresso da UMES de Santos será neste sábado (05/04)

Neste sábado (05/04), a partir das 14h, acontece o 10º Congresso da União Municipal dos Estudantes Secundaristas de Santos – UMES, no auditório da ETEC Aristóteles Ferreira (Avenida Epitácio Pessoa, 466 – Aparecida), onde serão discutidas entre os estudantes as principais pautas e os problemas a serem combatidos na próxima gestão. Nesta ocasião, momento importante de sua reconstrução, a nova direção da entidade será formada.

A UMES de Santos reúne os grêmios estudantis e representa os estudantes do ensino fundamental, médio, técnico e pré-vestibular da cidade. “Ela é responsável pelas mobilizações, campanhas e outros assuntos de interesse dos estudantes no município, como campanhas pela meia passagem ou passe-livre nos ônibus. São batalhas que o grêmio não pode encarar sozinho, é preciso unir os grêmios da cidade para levar adiante, com a participação de todos”, explica o estudante do Colégio Ômega, Rodrigo Bruno, um dos organizadores do congresso.

Já quem representa os estudantes em nível estadual é a UPES (União Paulista dos Estudantes Secundaristas), que terá seu 17º Congresso realizado de 10 a 13 de abril, em Americana/SP. E a UBES (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas), naturalmente, organiza os secundaristas em nível nacional.

Ao final do 10º Congresso da UMES de Santos será aberto espaço para atividades culturais propostas pelos estudantes. Poderá participar quem toca algum instrumento musical, saiba dançar qualquer ritmo, queira declamar poemas, entre outras manifestações artísticas. “Qualquer tipo de expressão cultural por parte dos estudantes é completamente bem-vinda”, convida Rodrigo, e faz o chamado: “Vamos lá! Por uma representação estudantil mais forte em nossa cidade de Santos!”

 

Evento no Facebook: Congresso da UMES.

 

Carlos Norberto Souza, jornalista e diretor de comunicação da UJS Santos

PCdoB comemora aniversário nesta terça, dia 25, com Mostra Cultural “50 anos de Resistência ao Golpe de 1964″, em Santos/SP

Nesta terça-feira, dia 25, o Comitê Municipal de Santos realiza a Mostra Cultural “50 anos de Resistência ao Golpe de 1964″, a partir das 19h, em comemoração ao aniversário de 92 anos do PCdoB. A Fundação Mauricio Grabois e o Comitê Popular pela Verdade, Memória e Justiça de Santos, com o apoio da Associação Cultural “José Marti” da Baixada Santista, são co-realizadores deste evento que terá lugar na Água Doce Cachaçaria (Avenida Pinheiro Machado, 33 – Vila Mathias – em frente ao Teatro Municipal “Brás Cubas”).
Na programação, música ao vivo, poesia, teatro, cinema, hip-hop, entre outras linguagens artísticas. Uma das atrações é a exposição “Movimento Estudantil 1968″, com imagens de Amancio Chiodi. Trata-se de um ‘recorte’ de um dos trabalhos do fotógrafo sobre a repressão. São 35 fotos clicadas por ele naquele famigerado ano, quando os militares investiram contra os estudantes que se opuseram à Ditadura. Haverá também o lançamento da biografia sobre a comunista e guerrilheira Elza Monnerat “Coração Vermelho – A Vida de Elza Monnerat”, com a presença da autora Verônica Brecht.
Já estão confirmadas as presenças do Secretário Nacional de Comunicação e editor do Portal Vermelho, José Reinaldo de Carvalho, e do Presidente Estadual do PCdoB, Orlando Silva.
Para quem tem filhos e deseja levá-los, o estabelecimento possui o espaço Doce Cantinho, um ambiente confortável e divertido para as crianças, enquanto os papais e/ou mamães aproveitam a festa. O evento é aberto ao público. Em breve, programação completa. Essa e outras novidades, no blog do PCdoB de Santos: pcdobdesantos.blogspot.com.
Informações:
Evento: Mostra Cultural “50 anos de Resistência ao Golpe de 1964″
Local: Água Doce Cachaçaria
Horário: 19h
Endereço: Avenida Pinheiro Machado, 33 – Vila Mathias (em frente ao Teatro Municipal “Brás Cubas”)

Amar e emancipar as mulheres

As mulheres representam hoje mais da metade do eleitorado no Brasil, mas esse dado não encontra representação semelhante quando se trata de mulheres ocupando cargos políticos. No Congresso brasileiro apenas 10% das vagas são ocupadas por mulheres. Na Câmara dos Deputados, são 45 deputadas contra 468 homens, na atual legislatura. Nem o fato de termos uma mulher ocupando a presidência da República fez com que conseguíssemos avançar neste ponto.

No que diz respeito aos empregos a situação também escancaram a diferença entre os gêneros que existe em nosso país. Segundo dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), a participação das mulheres no mercado de trabalho registrou importantes avanços nos últimos anos, mas elas ainda representam a maioria dos desempregados, estudam mais, e ganham 30% menos que os homens.

A UJS, como a maior organização de juventude política do país, vem assumindo com centralidade o desafio de combater o machismo internamente e somar esforços a luta dos movimentos feministas fortalecendo a conquista de mais direitos para as mulheres brasileiras na sociedade. Em nosso último congresso foi aprovado que a Direção Nacional da UJS será composta paritariamente por 50% de mulheres. Hoje, a Diretoria de Jovens Feministas da UJS faz parte da Executiva Nacional da entidade.

É importante registrar que as três entidades do movimento estudantil, UNE, UBES e ANPG, são presididas por quadros femininos e feministas da UJS. Estamos demostrando na prática o que é empoderar as mulheres!

Romper com os paradigmas do machismo a partir da educação é preciso.

Toda jovem mulher brasileira, ousada, subversiva e feminista. Que luta contra o machismo e os padrões comportamentais estabelecidos pelo patriarcado. Cada jovem mulher que luta para ser livre e pela autonomia de seu corpo. Luta para aprofundar as mudanças em curso no Brasil. Saiba que na UJS é seu lugar!

Amar e emancipar as mulheres!

Baixe o encarte especial sobre a Jornada de Lutas de 2014:

http://ujs.org.br/index.php/downloads/7121/

 

Por UJS

UJS lança campanha “Das ruas para as urnas”

A conquista do voto a partir dos 16 anos de idade é uma grande vitória da juventude brasileira. A medida foi uma proposta da União da Juventude Socialista para a constituição cidadão de 1988 e foi aprovada por ampla maioria da assembleia constituinte.

No ano de 2014 o Brasil passará por uma das eleições mais importantes de sua história, visto que vivemos no ano passado um dos maiores processos de mobilizações da juventude brasileira, que exigiu mudanças mais profundas na política.

O Slogan “não me representa”, embora seja utilizado em muitos casos para desqualificar a política como o principal instrumento de transformações, tem certo sentido quando olhamos para a participação da juventude no parlamento brasileiro, bem como a participação das mulheres que não passa de 8%, ou dos negros que é ainda menor.

Embora boa parte do parlamento não represente de fato os anseios da juventude, nossa participação, embora seja considerável, ainda é pouca para o contingente de 12 milhões de jovens entre 16 e 17 anos que existem no Brasil. Se fizermos uma comparação das eleições de 2010 com as eleições de 2008 percebemos uma diminuição na participação do jovem, em 2010 o eleitorado era de 2.391.092, já em 2008 o eleitorado jovem era de 2.923.485. Nas eleições municipais de 2012 mais de 2,9 milhões de jovens entre 16 e 17 anos estiveram aptos a votar. Para o Tribunal Superior Eleitoral estes dados revelam um maior interesse dos jovens nas eleições municipais.

Precisamos reequilibrar esta balança, pois, a maioria das reivindicações nas ruas de Junho foram pautas que se vinculavam estreitamente com as questões nacionais. Mais investimento na educação, mais saúde e etc, são reivindicações que o congresso nacional brasileiro discute frequentemente e em muitos casos não avança devido ao lobby privados da educação e da saúde.

Uma reforma política que democratize e amplie a participação da juventude só virá da própria iniciativa dos jovens em se manifestar e votar em candidatos comprometidos com as nossas pautas.

Você que tem entre 16 e 17 anos participe da campanha da UJS “Das ruas para as urnas”, retire seu título e ajude a mudar a política.

O cadastramento para retirar o título vai até o dia 05 de Maio. Todo jovem que completar 16 anos até o dia 05 de Outubro deste ano pode retirar seu título.

 

Por Ismael Cardoso, no site da UJS.

UJS protagoniza greve da Fatec/Etec e pede fora Alckmin

De baixo de chuva, a União da Juventude Socialista marca presença no terceiro grande ato por mais infraestrutura nas Fatecs e Etecs do estado de São Paulo

1185116_720104204698252_631851339_n

 

A greve que teve início no dia 17 de fevereiro e foi organizada por funcionários e professores  das Escolas Técnicas Estaduais (Etecs) e Faculdades de Tecnologia (Fatecs) do estado de São Paulo,  cobra plano de carreira para professores e funcionários, reajuste salarial, melhorias nas estruturas das instituições, bolsa de iniciação científica, mais laboratórios e bibliotecas para os alunos, contou com mais um ato de apoio ao movimento, organizado pela UEE-SP e o Sindicato dos Trabalhadores ( Sinteps), na tarde de ontem(11/03) , em frente ao Museu de Artes de São Paulo ( Masp), na Avenida Paulista.

Este foi o terceiro grande ato por Etecs e Fatecs com mais qualidade e infraestrutura, depois de 15 dias de greve, a resposta obtida pelo governador foi um plano de carreira onde se estabelece um limite de 10% do corpo docente em regime de jornada integral, quando em qualquer outra universidade estabelece-se um mínimo de 1/3 dos docentes. Essa quantia irrisória de professores prejudica a produção de pesquisa científica e, consequentemente, a capacidade de captar bolsas de iniciação.

Além disso, os estudantes começam a sofrer perseguições do governo: provas e seminários antecipados, sanções disciplinares a quem tenta construir o movimento em determinadas unidades, agressões e ameaças de reprovação.

No dia 10 de março, aconteceu uma reunião com secretários do governo e a superintendente do Centro Paula Souza, Laura Laganá, após o encontro Arthur Miranda, presidente do DCE FATEC e militante da UJS, afirmou que as lutas pelas Faculdades Tecnológicas de qualidade continuam.

“A greve continua até alcançarmos os objetivos dos professores e estudantes”, diz Carina Vitral, presidente da UEE SP, que saudou os estudantes e funcionários por se manterem firme na luta por melhorias nas instituições de ensino. Carina diz ainda, que as Etecs e Fatecs são as principais bandeiras do governo Alckimin e a realidade está muito distante da mostrada no comercial.

A presidente da União Nacional dos Estudantes, Virginia Barros,  parabenizou  todos os estudantes , professores e servidores presentes na manifestação. “Essa luta não é apenas dos estudantes ou dos professores. Essa luta pertence a todos que se preocupam com um futuro mais próspero pra o estado de São Paulo”, diz.

“Eles afirmam que a as Fatecs e Etecs não têm orçamento suficiente. Não aceitamos essa resposta. Continuaremos lutando para que nossas pautas e a dos professores sejam devidamente atendidas”, falou o presidente.

Dessa vez, o ato desceu a Rua Brigadeiro Luiz Antônio e seguiu rumo à ALESP (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo), junto com os professores e técnicos- administrativos e ocuparam a galeria dos deputados para intensificar e adiantar a aprovação de um plano de carreira justo para os professores e funcionários do Centro Paula Souza.

 

Texto originalmente publicado no site da UJS.

O que é combater a corrupção? É preciso primeiro entendê-la!

Por Altair Freitas, no blog Palavras Ao Tempo!

Tem gente que acha que corrupção é um problema moral, um desvio ético cometido por gente “sem Jesus no coração”. Essa visão ingênua, superficial, leva a quem pensa assim a migrar de “salvadores da pátria” à medida em que se frustram com os “salvadores” anteriores. Até no petismo tinha gente com essa visão ingênua – “nós somos puros, os outros são corruptos” – e o resultado foi uma frustração atrás da outra.

Sinto informar que corrupção é um dos instrumentos utilizados pelo capitalismo, desde as suas origens, lá na idade média, para a acumulação de capitais e à medida em que ele tornou-se sistema hegemônico, a corrupção sofisticou-se e intensificou-se. Não é possível existir capitalismo sem corrupção. Ela não é o principal elemento da acumulação, uma vez que em primeiríssimo lugar vem a exploração sobre a mão de obra pela extração da Mais Valia ou Mais Valor (e nem vou gastar meu tempo abordando a exploração como sendo a corrupção na sua essência). Sequer é o segundo elemento dessa acumulação pois o outro grande elemento é a sonegação fiscal. Mas a corrupção joga papel importante sem dúvida. Se não jogasse não seria largamente praticada.

Reparem que não estou falando que todo capitalista é corrupto, longe disso. Conheço muitos pequenos e médios empresários (as) que ralam pra caramba sem se envolver com o “mal feito”. Mas, por outro lado, afirmo categoricamente que nos setores estratégicos da economia moderna, os grandes ramos empresariais, aqueles que são de fato estruturantes para o funcionamento da economia mundial, não tenhamos dúvidas: a corrupção é amplamente utilizada todos os dias, em escala global.

O que nos leva ao outro lado da questão: se existem corruptos, existem corruptores posto que ninguém se auto corrompe. Para alguém ser corrupto é preciso que alguém lhe “molhe a mão”. Grandes grupos empresariais, sedentos por contratos governamentais (obras, fornecimento de materiais e equipamentos, etc) disputam o controle desses recursos em uma guerra suja, como sempre é a guerra pelos mercados consumidores. Esses grupos financiam campanhas eleitorais – e subornam agentes públicos de toda ordem – para garantir que seus financiados estejam em postos chaves do poder para conquistarem benesses. E financiam amplamente com recursos sonegados (caixa 2), além dos recursos legais. Financiamento privado de campanha é legal mas é profundamente imoral e danoso à democracia. A última campanha do Obama à presidência dos EUA custou quase UM BILHÃO DE DÓLARES! Quem pagou? Com quais interesses? Democráticos? E na Europa? Como funciona? Basicamente do mesmo jeito!

Ainda assim, com tudo isso, vejam vocês, a corrupção – que precisa ser combatida sim, mas de modo consequente e com visão estruturante – é apenas uma fração do problema da economia mundial – e da brasileira também – uma vez que há outros ralos muito maiores que prejudicam a vida dos povos, das massas trabalhadoras. Perto da sonegação, da evasão fiscal – aqui e nos demais países do mundo, notadamente nos países mais desenvolvidos – a corrupção é brinquedo de criança. Os dados abaixo mostram isso. A corrupção equivale a cerca de TRÊS POR CENTO de prejuízos nos países estudados. Por outro lado, a sonegação é estratosférica! No caso brasileiro, a sonegação é algo CINCO VEZES MAIOR do que o que se perde com corrupção. Ainda que eu ache que sonegar é corromper também. Mas esse é outro debate!

O debate político e a luta pelas mudanças necessárias não comportam ingenuidades nem demagogia barata, aventureiros salvadores e nem ódio irracional. Debater seriamente os problemas do país, e do mundo, exige conhecimento, ciência e organização consciente. O resto é hipocrisia de ocasião!

Leia mais:

Carta Maior: Sonegação dos ricos é 25 vezes maior que corrupção nos países em desenvolvimento