Plataforma Eleitoral para as eleições de 2014

Do Blog Nossa Cara

 

A União da Juventude Socialista nos seus 30 anos de vida tem a marca da luta por transformações sociais, foi assim que ajudou a reconquistar a democracia, que resistiu às privatizações do período neoliberal e conquistou um novo ciclo de mudanças inaugurado com a eleição do presidente Lula. Da mesma forma, no estado de São Paulo lutamos para que esse ciclo de mudanças chegue ao nosso estado, para isso precisamos arrancar os tucanos do Palácio dos Bandeirantes. Esta plataforma contém os apontamentos para políticas públicas no estado de São Paulo, neste 17º Congresso da UJS São Paulo gostaríamos de apresentar:

 

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E INTEGRAÇÃO REGIONAL

São Paulo é o estado mais rico do Brasil, detentor de um terço do Produto Interno Bruto nacional e sempre foi considerada a locomotiva econômica do nosso país. Entretanto, nos últimos 20 anos, notou-se um grande contraste entre a sua riqueza e o desenvolvimento social do povo. São Paulo deve ser exemplo no plano de desenvolvimento e integração, nosso estado deve ser desenvolvido em uma escala correspondente a de sua enorme riqueza, é inadmissível em pleno século 21 sofrermos com falta de água, é uma afronta com a sociedade que paga bilhões em impostos sofrer uma desumanidade desse tipo. Estradas privatizadas com pedágios caríssimos, falta de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento tecnológico, falta de investimento na educação é a marca de um governo que não pensa na sociedade como um todo. Nosso estado não acompanhou o desenvolvimento social do país, e por isso sofre um drástico atraso social, precisamos de políticas de integração regional.

 

TRANSPORTE PÚBLICO E MOBILIDADE URBANA

O tema da mobilidade urbana ganhou relevo nos dias de hoje, já que sem políticas de transporte é impossível se locomover nas grandes cidades. Neste sentido, a política para o transporte deve guiar-se na lógica do transporte coletivo em detrimento no transporte individual, criando mecanismos de integração regional para além das estradas pedagiadas hoje existentes.

A malha metro-ferroviária deve ser encarada como prioridade para o Governo de São Paulo, sendo o principal modal tanto na Região Metropolitana de São Paulo, mas também se estendendo por todas as regiões, no transporte de cargas e de pessoas.

  • Ampliação radical de investimentos no Metro e CPTM
  • Extensão da malha metroviária na cidade de São Paulo para regiões periféricas
  • Ampliação da CPTM para mais regiões do estado
  • Recuperação da malha ferroviária para transporte de cargas

 

TRABALHO E PRIMEIRO EMPREGO

A exploração juvenil é algo ainda muito presente em nosso estado, a juventude vive na informalidade e é usada como ferramenta de mão-de-obra barata. Não existe oportunidade no emprego formal. Todos sabem que o primeiro emprego é fundamental para os jovens que precisam ajudar a sustentar as suas famílias ou subsidiar os seus estudos.

O mercado de trabalho exige algo que é impossível para o jovem que busca o seu primeiro emprego, a experiência. É ilógico pensarmos que alguém que nunca obteve a primeira oportunidade de emprego tenha a tal da experiência.

A oferta de estágios para a juventude é escassa, e limitada para aqueles que se destacam em concursos muito concorridos e pouco frequentes. Assim apenas uma pequena parcela de estudantes é contemplada com oportunidade de estagiar e ter a chance de ingressar no mercado de trabalho. Ainda assim os estagiários sofrem com a desvalorização de seus trabalhos, com desvio de função, pouco subsidio e falta de garantias para a contratação.

Reivindicamos investimentos e suporte nesta área para que o ingresso do jovem no mercado de trabalho comece ser o mais acessível possível. Sabemos que existem programas como o “Jovem Aprendiz” que contribuem para a introdução do jovem no mercado de trabalho, porém além do programa ser melhorado ele deve aumentar sua oferta de vagas, através de parcerias, para que o maior número de jovens possa participar e ter a mesma oportunidade.

O governo deve deter de um programa que possa dar suporte e auxiliar para que todos estagiários possam iniciar esta etapa de vida da melhor maneira possível.

 

EDUCAÇÃO

Atualmente o estado de São Paulo enfrenta sua maior contradição na educação pública, não é razoável que o estado mais rico do país tenha índices vergonhosos da qualidade da educação. Na escola a juventude segue sem perspectivas de futuro, numa instituição sem qualidade, onde faltam professores e estrutura adequada para um ambiente de aprendizagem.

Os professores, vivem um descaso do atual governo e são submetidos a trabalhar por tão pouco, ter uma carga horária absurda, chegar numa sala com mais 40 estudantes por sala, coisa que afeta os estudantes  faz com que os jovens cresçam com um ensino sem qualidade, e inclusive são “progredidos” automaticamente, o que mostra o desinteresse da parte do governo do estado para com a educação e que para mudarmos essa realidade é preciso:

  • Reforma do ensino médio paulista
  • Eleição direta para diretor(a)
  • Mais investimento em infraestrutura
  • Laboratórios de informática e wi-fi para todos.
  • Ambiente de aprendizagem com democracia e livre-organização do grêmio escolar.
  • Organização do Conselho Escolar, e dos estudantes formando os grêmios estudantis que hoje sofrem por um grande impedimento da parte das diretorias.

Na educação superior, precisamos interromper o processo de exclusão e segregação em curso e abrir as portas da universidade para o povo. Precisamos de um ensino superior que atenda a demanda de cada região, através de uma grande mobilização do governo estadual, ofertando mais vagas no seu ensino público superior, prezando pela qualidade e referência de ensino. Nossas universidades e faculdades tecnológicas estaduais devem acompanhar o desenvolvimento social. Precisamos democratizar a oportunidade de vagas, políticas de cotas que possibilitem as condições na disputa pelas vagas e permanência nos centros de ensino superior, em destaque para a juventude negra e estudantes que cursaram integralmente na rede pública de ensino. Pedimos especial atenção e medidas emergências para com nossas FATEC’s, que estão sucateadas e precisam urgentemente de medidas para reverter esta situação.

  • Instituir a reserva de vagas de 50% para estudantes oriundos da escola pública, com recorte racial por curso e turno.
  • Ampliação e interiorização das universidades estaduais com vistas a fortalecer a educação pública
  • Adotar o Exame Nacional do Ensino Médio como forma de ingresso nas estaduais paulistas
  • Criação do Fundo e do Plano Estadual de Assistência Estudantil com vistas a complementar a verba destinada a este tema nas universidades estaduais e também nas universidades privadas
  • Ampliar radicalmente os investimentos nas FATECs e ETECs, criando o Instituto Estadual de Educação Tecnológica
  • Criação de linha de fomento a pesquisa para universidades privadas a fim de garantir acesso a ensino, pesquisa e extensão nas universidades privadas e públicas
  • A profissão de tecnólogo deve ser regularizada, e o governo estadual deve assumir o compromisso de contribuir para a efetivação deste plano, assim como incentivar a disseminação desta profissão pelo estado.

Continue reading

Advertisements

UJS lança campanha “Das ruas para as urnas”

A conquista do voto a partir dos 16 anos de idade é uma grande vitória da juventude brasileira. A medida foi uma proposta da União da Juventude Socialista para a constituição cidadão de 1988 e foi aprovada por ampla maioria da assembleia constituinte.

No ano de 2014 o Brasil passará por uma das eleições mais importantes de sua história, visto que vivemos no ano passado um dos maiores processos de mobilizações da juventude brasileira, que exigiu mudanças mais profundas na política.

O Slogan “não me representa”, embora seja utilizado em muitos casos para desqualificar a política como o principal instrumento de transformações, tem certo sentido quando olhamos para a participação da juventude no parlamento brasileiro, bem como a participação das mulheres que não passa de 8%, ou dos negros que é ainda menor.

Embora boa parte do parlamento não represente de fato os anseios da juventude, nossa participação, embora seja considerável, ainda é pouca para o contingente de 12 milhões de jovens entre 16 e 17 anos que existem no Brasil. Se fizermos uma comparação das eleições de 2010 com as eleições de 2008 percebemos uma diminuição na participação do jovem, em 2010 o eleitorado era de 2.391.092, já em 2008 o eleitorado jovem era de 2.923.485. Nas eleições municipais de 2012 mais de 2,9 milhões de jovens entre 16 e 17 anos estiveram aptos a votar. Para o Tribunal Superior Eleitoral estes dados revelam um maior interesse dos jovens nas eleições municipais.

Precisamos reequilibrar esta balança, pois, a maioria das reivindicações nas ruas de Junho foram pautas que se vinculavam estreitamente com as questões nacionais. Mais investimento na educação, mais saúde e etc, são reivindicações que o congresso nacional brasileiro discute frequentemente e em muitos casos não avança devido ao lobby privados da educação e da saúde.

Uma reforma política que democratize e amplie a participação da juventude só virá da própria iniciativa dos jovens em se manifestar e votar em candidatos comprometidos com as nossas pautas.

Você que tem entre 16 e 17 anos participe da campanha da UJS “Das ruas para as urnas”, retire seu título e ajude a mudar a política.

O cadastramento para retirar o título vai até o dia 05 de Maio. Todo jovem que completar 16 anos até o dia 05 de Outubro deste ano pode retirar seu título.

 

Por Ismael Cardoso, no site da UJS.