UJS em São Paulo oficializa apoio a Padilha

A União da Juventude Socialista recebe o pré-candidato ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha com muita energia, intervenções culturais e composição musical. O ato político é composto por diversas personalidades políticas e dos movimentos sociais.

IMG_0537

 

Por Eder Bruno, no blog Nossa Cara SP (UJS /SP)

 

Neste sábado, último dia do 17º Congresso Estadual da União da Juventude Socialista de São Paulo, realizado no município de Jundiaí, o ato político com a presença do pré-candidato a governador do estado mais rico do país se caracterizou pela energia com a qual a maior entidade de juventude política organizada o recebeu. Diversas lideranças dos Movimentos Sociais participaram do ato.

O Congresso também desfrutou das ilustres presenças de Orlando Silva, presidente estadual do PCdoB de São Paulo, os deputados federais pelo PCdoB, Protógenes Queiroz e Gustavo Petta; a deputada estadual também pelo PCdoB, Leci Brandão, além da presidente das entidades estudantis: Virginia Barros (UNE), Barbara Melo (UBES), Carina Vitral (UEE-SP), Vice-presidente da UJS Nacional, Renan Alencar (Macaxeira), agora eleita presidenta da UJS-SP, Renata Rosa, e coordenado pelo saudoso ex-presidente da UJS, Carlos Siqueira.

O vice-presidente da UJS Nacional, Renan Alencar (Macaxeira), reforçou o apoio da entidade a campanha de Padilha reafirmando a garra de uma militância transformadora, “Sei que você já encontrou muita gente boa da UJS por onde sua caravana passou e conte conosco, porque essa turma, como diz nosso grito de ordem: é pra matar e pra morrer e quando a gente fecha, estamos juntos. E você foi testemunha que em momentos difíceis de mudanças de transformação da política do nosso país houve uma galera que foi pra rua e enfrentou de peito aberto, de cara limpa todos os problemas e dificuldades. Sei que nessa jornada que será com certeza vitoriosa, a luta será duríssima, mas nossa vitória é certa  e pode contar com essa aguerrida militância da UJS em cada do estado de São Paulo, para colocar esse estado nos rumos da transformação que o Brasil já vive há 12  e que o estado de São Paulo vai entrar elegendo Alexandra Padilha para ocupar um lugar de destaque no Palácio dos Bandeirantes”, finalizou.

A Presidenta da UJS eleita neste congresso, Renata Rosa, afirmou o protagonismo da Juventude neste período eleitoral que virá, não apenas por ser a maior parcela da população, mas pela capacidade de influência no meio familiar, “Tem uma galera que anda dizendo pra juventude que política é ruim, que não deveria participar, a mídia tem jogado muito contra a política, mas nós estamos dispostos a ir para as ruas disputar o pensamento e as ideias desses jovens que deseja participar, se manifestar e mudar as coisas, por isso que a UJS com toda essa energia e irreverência tem convicção de que não vai ter Alckmin, porque vamos entrar neste congresso, com a mesma força e garra que a gente entra para ganhar o congresso da UNE e da UBES”

Em sua fala Alexandre Padilha, começou afirmando que ficou muito animado quando a Renata Rosa falou que a UJS vai com a mesma garra para campanha como vai para ganhar os congressos da UNE e da UBES.  “Eu e o Orlando Silva somos bastante experiente, da mesma geração e eu perdi  muito congresso da UNE para o Orlando porque era da Juventude do PT e o Orlando já tinha essa máquina da UJS com essa garra toda, então fiquei animado com isso”.

Padilha ainda ressaltou a importância do estado de São Paulo, não só para nós paulistas, mas para todo o Brasil a importância de afirmar e caminhar com a juventude pela transformação do estado de São Paulo, “Sabemos a responsabilidade que temos na preparação do programa de governo para o estado de São Paulo e sabemos também da responsabilidade que temos com vocês e tendo uma história no movimento de juventude e sendo o pré-candidato mais novo a disputar o estado mais rico do país eu tenho a responsabilidade com a geração da juventude, para mostrar que nós temos competência, compromisso e capacidade para mudar São Paulo” destacou o pré-candidato.

 

Teses para o 17º Congresso da UJS estão disponíveis para download

congresso

Estão disponíveis para download as teses do 17º Congresso da União da Juventude Socialista.

Nesse ano a UJS completa 30 anos de história, querendo mudanças mais profundas para o país, comemorando os avanços da última década, mas cientes de que o Brasil ainda precisa avançar mais, combater suas desigualdades e, com alegria, ousadia e rebeldia, construir o Socialismo verde e amarelo, com a nossa cara!

As teses são debatidas por toda nossa militância nos núcleos e congressos de base da UJS pelo país.

Nas teses para o Congresso discutimos: eleição, reforma política, violência policial e desmilitarização, Copa, democratização da mídia, combate a homofobia entre outros temas que são diretrizes para nossa luta cotidiana.

Teses do 17º Congresso da UJS: http://ujs.org.br/index.php/downloads/tese-do-17o-congresso-da-ujs/

 

Fonte: site da UJS (ujs.org.br)

UJS lança campanha “Das ruas para as urnas”

A conquista do voto a partir dos 16 anos de idade é uma grande vitória da juventude brasileira. A medida foi uma proposta da União da Juventude Socialista para a constituição cidadão de 1988 e foi aprovada por ampla maioria da assembleia constituinte.

No ano de 2014 o Brasil passará por uma das eleições mais importantes de sua história, visto que vivemos no ano passado um dos maiores processos de mobilizações da juventude brasileira, que exigiu mudanças mais profundas na política.

O Slogan “não me representa”, embora seja utilizado em muitos casos para desqualificar a política como o principal instrumento de transformações, tem certo sentido quando olhamos para a participação da juventude no parlamento brasileiro, bem como a participação das mulheres que não passa de 8%, ou dos negros que é ainda menor.

Embora boa parte do parlamento não represente de fato os anseios da juventude, nossa participação, embora seja considerável, ainda é pouca para o contingente de 12 milhões de jovens entre 16 e 17 anos que existem no Brasil. Se fizermos uma comparação das eleições de 2010 com as eleições de 2008 percebemos uma diminuição na participação do jovem, em 2010 o eleitorado era de 2.391.092, já em 2008 o eleitorado jovem era de 2.923.485. Nas eleições municipais de 2012 mais de 2,9 milhões de jovens entre 16 e 17 anos estiveram aptos a votar. Para o Tribunal Superior Eleitoral estes dados revelam um maior interesse dos jovens nas eleições municipais.

Precisamos reequilibrar esta balança, pois, a maioria das reivindicações nas ruas de Junho foram pautas que se vinculavam estreitamente com as questões nacionais. Mais investimento na educação, mais saúde e etc, são reivindicações que o congresso nacional brasileiro discute frequentemente e em muitos casos não avança devido ao lobby privados da educação e da saúde.

Uma reforma política que democratize e amplie a participação da juventude só virá da própria iniciativa dos jovens em se manifestar e votar em candidatos comprometidos com as nossas pautas.

Você que tem entre 16 e 17 anos participe da campanha da UJS “Das ruas para as urnas”, retire seu título e ajude a mudar a política.

O cadastramento para retirar o título vai até o dia 05 de Maio. Todo jovem que completar 16 anos até o dia 05 de Outubro deste ano pode retirar seu título.

 

Por Ismael Cardoso, no site da UJS.

UJS-SP: rumo aos 60 mil filiados

Plenaria SP _Padilha carlão

A preparação para o 17° Congresso da UJS está a todo vapor. No último final de semana, 8 plenárias estaduais aconteceram em todo o Brasil, ano em que a organização comemora seus 30 anos de história e encara o desafio de mobilizar meio milhão de jovens em todo país. André Tokarski, presidente nacional da União da Juventude Socialista, declarou que essa força estará direcionada para impulsionar a mobilização da juventude em defesa de um novo ciclo político de lutas e vitorias, com a juventude nas ruas na 2° Jornada Nacional de Lutas pelas reformas democráticas, com a conquista do hexa na Copa do Mundo e a reeleição da presidenta Dilma.

“É hora do Brasil avançar, romper com as pressões nefastas que o capital financeiro faz para subjugar nossa economia. O país precisa inaugurar um novo ciclo de desenvolvimento econômico e de promoção integral dos direitos sociais. E é tratando das pautas mais essenciais que vamos conseguir reunir um grande bloco de forças progressistas e de esquerda para renovar as esperanças e inaugurar um novo ciclo de mais democracia e desenvolvimento”, conclui o presidente.

Para Carlos Eduardo Siqueira, presidente da UJS São Paulo, o espaço foi excelente, todas as regiões do estado comparecem com mais de 200 dirigentes da organização. “Os debates foram bem politizados, e o encontro com o ex-ministro da Saúde, Alexandre Padilha, foi o mais interessante para que pudéssemos pautar a luta política da juventude do estado e falar dos desafios do estado de São Paulo”.

Na Roda Viva da UJS –SP, Alexandre Padilha debateu com a militância, de forma descontraída e politizada, pautas como mobilidade urbana, o Trensalão Tucano, Mais Médicos, política de juventude, violência, Polícia Militar, diálogos com os movimentos sociais e reformas democráticas.

O vice-presidente nacional da UJS, Renan Alencar, levantou a importância de mudança na política econômica para que haja ampliação na capacidade de investimento em educação, saúde, transporte e geração de empregos.

“Parece que o atual governador está com a pilha fraca, não tem capacidade de liderar as mudanças e os desafios que São Paulo tem a enfrentar”, declarou Padilha durante o a atividade com a juventude paulista.

Carlos Eduardo Siqueira finaliza: “terminamos o 5° Socializando e a Plenária estadual com a militância paulista animada com a meta dos 60 mil filiados! Uma UJS grande para enfrentar os desafios de um novo tempo para o Estado de São Paulo. O lema do 16° Congresso Estadual diz muito sobre o que desejamos: declare guerra a quem finge te amar. É tarefa da nossa geração derrotar os tucanos neoliberais, é preciso unidade para enfrentar o inimigo principal”.

Acesse também:

Meio milhão de jovens socialistas! Rumo ao 17° Congresso da UJS

A UJS que copa, saúde e educação!

 

Por Natalia Padalko, no site da UJS.

UJS Santos repudia repressão aos rolezinhos

Carta de Repúdio da UJS de Santos sobre a repressão aos ‘rolezinhos’ organizados pela juventude

A União da Juventude Socialista de Santos através desta manifesta seu repúdio às atitudes tomadas por autoridades públicas, em especial dos Poderes Executivo e Judiciário do Estado de São Paulo, diante dos encontros promovidos por jovens, denominados ‘rolezinhos’.

Manifestamos total desacordo com a flagrante violação dos Direitos Humanos fundamentais, contidos na Carta das Nações Unidas e da qual o Brasil é signatário, e também de diversos dispositivos da Constituição Federal de 1988, conquistados às custas do sangue de milhares de brasileir@s após longos períodos de regimes de exceção em nosso país, em particular o direito de ir e vir e de não sofrer discriminação de qualquer espécie.

As liminares expedidas a pedido dos proprietários de alguns estabelecimentos comerciais são evidentes violações dos direitos consagrados pelas leis brasileiras, pois legitimam e autorizam as odiosas práticas de racismo e de discriminação social.

Num país que foi o último do continente a abolir a escravidão, que o trabalho não é devidamente reconhecido e valorizado e que ainda hoje convive com grave desigualdade na distribuição de renda e riquezas, não é difícil de saber a quem essas liminares se destinam: à juventude pobre, negra e parda, moradora das periferias.

Os centros de compra, popularmente conhecidos como ‘shopping centers’, apesar de serem espaços de propriedade privada, não são clubes, onde apenas se permite o acesso de um grupo limitado de associados. São espaços de livre circulação do público, comprador ou não. Restringir o acesso de quem quer que seja, em virtude da ‘aparência’, da idade e da condição social é crime.

Não nos surpreende, infelizmente, que setores da dita ‘elite’ se incomodem com a presença de milhões de brasileir@s que tiveram elevação do seu potencial de consumo a partir do ciclo progressista que conduz o Governo Federal nos últimos onze anos.

Nos surpreende e indigna saber que representantes do Poder Judiciário, que devem, constitucionalmente, salvaguardar as leis e distribuir justiça, expeçam liminares que permitem a violação da nossa Carta Magna.

Não nos surpreende, infelizmente, que mais uma vez o Governo do Estado de São Paulo, através do seu braço armado, a Polícia Militar, permita o uso de recursos financeiros e humanos para violar a lei e os direitos fundamentais dos cidadãos.

O direito de organização e livre manifestação das ideias e expressões artísticas e culturais deve ser garantido. Se a juventude hoje convoca os chamados ‘rolezinhos’ através das mídias sociais é mais um sinal de que os Poderes Públicos não tem sido capazes na tarefa de proporcionar lazer e entretenimento para a juventude. A imensa maioria das pessoas que organizam e participam desses eventos não podem ser estigmatizadas e postas sob suspeição. São estudantes, trabalhadoras e trabalhadores, cidadãos contribuintes, que procuram no tempo livre organizar e participar daquilo que os Governos não lhes oferecem.

Se há entre @s participantes pessoas que violam a lei, assim como há em praticamente todos os campos da atividade humana, inclusive na política, na polícia e no ramo empresarial, que os recursos d@s contribuintes sejam destinados para atividades de prevenção e inteligência, sem o uso (e muitas vezes abuso) de força e armas contra quem não está cometendo crime algum.

Aliás, quem está cometendo crime, sob amparo de liminares flagrantemente inconstitucionais são @s empresári@s, que colocam seus trabalhadores para discriminar e agredir as pessoas.

– Pela imediata revogação das liminares e afastamento dos juízes que as expediram;
– Pela garantia aos direitos constitucionais;
– Pela efetiva implementação de políticas públicas de/para/com a juventude;
– Por mais oportunidades de lazer e entretenimento públicas e gratuitas que atendam aos interesses da juventude;
– Não ao racismo e à discriminação social e cultural;
– Pelo fim do extermínio da juventude;
– Pela desmilitarização das Polícias;
– Pela rigorosa investigação da conduta e responsabilização civil e criminal d@s empresári@s e agentes públicos envolvidos.

Santos, 13 de janeiro de 2014.

A Direção Municipal da União da Juventude Socialista de Santos/SP.

 

 

28/12: UJS faz Luau de Fim de Ano em Santos/SP

Escultura criada pela artista plástica Tomie Ohtake; a obra está instalada no local

Para matar a saudade e finalizar o ano com chave-de-ouro está de volta o nosso Luau da UJS, que acontecerá neste sábado (28), a partir das 20h, no Quebra-Mar (Avenida Presidente Wilson – José Menino).

Cada pessoa leva os bebes (e eventualmente os comes) que for consumir e uma caneca.Mas pra quê uma caneca? Ora, é pra participar do “Camarada Secreto”, que será sorteado na hora. Cada camarada presenteia @ outr@ com uma caneca.

Assim, além de dar e ganhar uma lembrança útil e de baixo custo, economizamos o que seria gasto na compra de copos descartáveis. Dá pra reverter isso em mais comes e bebes, sem falar que dessa maneira evitamos sujar a praia.

Saia do sofá e #VemProLuau!

***

Confira o Evento no Facebook.

UJS Santos promove atividade preparatória ao 1º Encontro Nacional de Mulheres

Imagem

A UJS de Santos realizou Cine-Debate na tarde de ontem, com o tema: “O Caminho ao Empoderamento da Mulher: Onde estamos e onde chegaremos?”. A atividade iniciou a preparação da militância para o Encontro Nacional de Mulheres da União da Juventude Socialista, em dezembro. Um debate apropriado, pré- Dia Internacional de Luta pelo fim da violência contra a mulher (25 de novembro).

O filme escolhido, o curta-metragem “Acorda, Raimundo…Acorda!” (YouTube), de 1990, demonstra as expressões cotidianas do machismo, ao inverter os papeis socialmente impostos a homens e mulheres. A produção tem no elenco Paulo Betti, Eliane Giardini, José Mayer e Zezé Motta. Essa troca de papeis, na obra, deixa ainda mais claro o caráter opressivo do machismo. O curta foi escolhido para ficar destacado que é no dia-a-dia que a luta anti-machista deve ocorrer.

 
Antes da exibição do curta a(o)s convidada(o)s participaram de uma oficina de cartazes. Ela(e)s escreveram ‘palavras de ordem’ em folhas de sulfite, tais como “Não ao machismo”, “Fim do assédio moral e sexual”, “Remuneração igualitária”, e posaram para registro fotográfico com seus respectivos cartazes.
 
A ideia principal era promover uma discussão feminista, anti-machista. Refletir sobre as possibilidades de que o empoderamento e a emancipação da mulher sejam completamente conquistados. Além de trazer uma nova concepção de poder, o empoderamento feminino é um desafio às relações patriarcais, pautadas pela dominação masculina e seus
privilégios de gênero.
 
No debate, bastante animado, vários assuntos foram abordados: legalização e descriminalização do aborto, papéis sociais, religião e sociedade, o “machismo feminino”, educação e a participação política das mulheres. Tanto mulheres quanto homens, jovens ou não, participaram com grande interesse das discussões.
 
A participação deles no debate mostra que não são os homens os inimigos da luta anti-machista, já que estas ideias estão na cabeças de qualquer pessoa, de ambos os gêneros.
 
Encontro Nacional
O Cine Debate, co-realizado pelo Núcleo de Liderança de Mulheres da Z. Noroeste (Nuclim) e União Brasileira de Mulheres (UBM), foi também uma atividade preparatória para o 1º Encontro Nacional de Mulheres da UJS, a ser realizado de 13 a 15 de dezembro na capital federal. Destacou-se, após a discussão, a(o)s possíveis representantes de Santos e Região para o encontro de Brasília.
 
 
Carlos Norberto Souza – Blog UJS Santos